26/04/2022 18:58 1 mês atrás

É essencial investir no escoamento da produção agrícola, diz Riedel



Com mais de R$ 2 bilhões em investimento, obras em rodovias reduzem custos e ajudam setor produtivo

O agronegócio tem sido responsável direto pelo superávit da balança comercial de Mato Grosso do Sul e pelo bom posicionamento do Estado no ranking nacional de geração de empregos.

Para o pré-candidato ao Governo do Estado, Eduardo Riedel, é papel do executivo estadual dar sua contrapartida para que o setor possa continuar avançando e assumindo papel de destaque na economia do Estado.

Em sua passagem pelas secretarias de Governo e Infraestrutura, Riedel estabeleceu ações a fim de melhorar as condições de tráfego em rodovias vitais para o escoamento da produção.

Com mais de R$ 2 bilhões em investimentos em obras que estão em andamento nas rodovias estaduais, o Governo do Estado ajuda a integrar os polos econômicos, melhora o tráfego local, ajuda no escoamento da produção e facilita o acesso a diferentes comunidades, assentamentos e propriedades.

Para Riedel, a viabilização de ligações entre as principais regiões produtivas do Estado fortalece o aquecimento dos mercados importador e exportador, estrutura a logística e torna a produção sul-mato-grossense mais competitiva.

“São 60 obras em andamento nas rodovias estaduais que vão ajudar o setor produtivo e contribuir para alavancar a economia dos municípios do Estado. E nos próximos anos vamos focar ainda mais nesses investimentos”, afirmou o pré-candidato.

Viabilizar ligações entre as principais regiões produtivas do Estado fortalece o aquecimento dos mercados importador e exportador — Eduardo Riedel, pré-candidato ao Governo


Das obras em andamento, são 47 de pavimentação, no valor de R$ 1,7 bilhão, em um trecho de 1.012 quilômetros. Também seguem mais 13 obras de restauração de rodovias, com mais de R$ 330 milhões, em 307 km.

Competitividade

Para o presidente da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Marcelo Bertoni, as obras na malha rodoviária ajudam o setor produtivo. “Contribui para o aumento da competitividade dos produtos agropecuários, tornando o transporte ainda mais eficiente, colocando regiões mais distantes em contato com os centros consumidores e distribuidores de insumos e matéria-prima”.

O trânsito mais seguro e a redução de acidentes também é um dos focos dos investimentos. “Em rodovias e estradas pavimentadas haverá menos riscos aos motoristas, com redução de acidentes, assim como gastos e despesas com os veículos. Por isso essas obras impactam diretamente nesse serviço”, explicou Gilmar Ribeiro da Silva, presidente do Sindicargas (Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes).

As obras ajudam a integrar as regiões e impulsionar a economia dos municípios, com geração de empregos e renda. Esta é a avaliação do presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Valdir Couto de Souza Júnior, prefeito de Nioaque.

“As obras de pavimentação executadas pelo Governo do Estado ajudam e contribuem com a economia dos municípios, na geração de empregos e melhorando o tráfego local, dando mais segurança. Além disso, facilita o escoamento da produção. São investimentos importantes para Mato Grosso do Sul”.

As melhorias da malha rodoviária chegam aos produtores de diferentes cidades. “Esses investimentos do Governo são fundamentais, pois precisamos de boas estradas para se adequar à produção, tanto nas principais rodovias, como nas vicinais. O Governo está fazendo sua parte”, afirmou o presidente do Sindicato Rural de Maracaju, Fábio Olegário Caminha.

“Esses investimentos do Governo são fundamentais” — Fábio Olegário, presidente Sindicato Rural de Maracaju


Roseli Maria Ruiz, do Sindicato Rural de Antônio João, destaca que as obras de pavimentação na região de fronteira é um “sonho realizado” tanto da população quanto dos produtores locais. “Com rodovias melhores até o nosso preço será mais competitivo”, avalia.

Veja também

Olá, deixe seu comentário para É essencial investir no escoamento da produção agrícola, diz Riedel