23/05/2024 11:37 Há 4 semanas

Alan Guedes: do caos financeiro ao resgate da credibilidade de Dourados



Da redação

Após assumir a prefeitura de Dourados, em 2021, com uma folha de pagamento atrasada e dívidas com fornecedores, que somados, ultrapassavam os R$ 100 milhões e sem ter recursos em caixa para honrar o compromisso, o prefeito Alan Guedes (PP) entrou no quarto ano do seu primeiro mandato no cargo com o “nome limpo” no Tesouro Nacional e com mais de R$ 500 milhões para investir no desenvolvimento do município, sendo que R$ 200 milhões já estão em execução em mais de 50 projetos.

Alan Guedes revelou um pouco do segredo de deixar de ser uma prefeitura desacreditada pelos credores, em razão das dívidas não honradas, para se tornar uma das poucas administrações públicas do Brasil a receber classificação "A" para a Capacidade de Pagamento (Capag), dada pelo Tesouro Nacional.

“Logo no começo da gestão percebemos que era necessário fazer um resgate de credibilidade para podermos avançar, pois o município tinha muitas restrições e ninguém queria fazer negócios ou parcerias com a prefeitura de Dourados. Fizemos a lição de casa, organizamos a máquina pública e recuperamos a credibilidade, com muito trabalho e responsabilidade”, garantiu o gestor público.

O prefeito afirma que hoje é possível dizer que Dourados está na sua melhor fase, organizada administrativamente e com recursos para investimento, como é o caso do Programa Desenvolve Dourados, que tem como pilar principal os recursos do Fonplata, um banco internacional de desenvolvimento.

“Claro que ainda temos desafios a serem superados, mas temos a certeza que o município está com as bases sólidas para continuar crescendo nos próximos anos. Posso dizer, sem medo de errar, que a parte mais desafiadora já passou e que os próximos anos serão de colheita de tudo o que foi feito até aqui”, projetou.

Tempos difíceis

Quando assumiu a prefeitura de Dourados, no dia 1º de janeiro de 2021, o prefeito, logo no primeiro dia útil de trabalho, detectou que a folha referente ao mês de dezembro de 2020 não tinha sido paga e não havia dinheiro nos cofres do município para saldar a dívida.

Era um valor de quase R$ 30 milhões, e, naquele momento, ele teve de adotar algumas medidas de contenção de gastos e de ajuste financeiro da máquina pública municipal. Além disso, essa organização nas contas exigia um processo de negociação com fornecedores, que também não estavam recebendo.

Para pagar essa folha atrasada, Alan Guedes teve de comprometer o planejamento do seu primeiro ano de gestão, ou seja, alguns investimentos e serviços foram adiados.

“Então, a prioridade naquela época era pagar a folha em atraso dos servidores e, graças a Deus, em fevereiro daquele ano, já conseguimos quitá-la, usando os recursos do IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano] e dos demais impostos que entravam no começo do ano”, recordou.

Como o salário dos servidores municipais foi quitado em tempo recorde, a gestão municipal acabou comprometendo a saúde financeira ao longo de todo aquele ano, justamente durante a pandemia da Covid-19. Entretanto, como há males que vêm para o bem, foi iniciada a implantação de um regime de saúde financeira.

O prefeito teve de adotar como um dos pilares da sua gestão a organização das finanças porque sabia que precisaria de novos recursos, fossem eles federais ou de empréstimo junto a bancos oficiais, para poder fazer obras de infraestrutura no município.

NOME LIMPO


Foi nessa ocasião que Alan Guedes descobriu o verdadeiro estrago financeiro que teria de sanar, pois, com a prefeitura com o “nome sujo” na praça, não conseguia crédito. Além disso, o município estava desacreditado perante os fornecedores locais, em função do histórico de mau pagador.

“A única saída era começar a quitar as dívidas, e o nosso principal empecilho era a classificação C dada pelo Tesouro Nacional na Capag. Com muito esforço, saímos dessa situação incômoda e, no mesmo ano em que assumi, subimos para a classificação A, ou seja, limpamos o nome, recuperamos o crédito e voltamos a ter credibilidade no mercado”, pontuou.

“O trabalho feito pela nossa equipe econômica fez com que, ano a ano, evoluíssemos muito nos índices e chegamos, desde o ano passado e mantido agora, a um equilíbrio fiscal. Ou seja, o município de Dourados consegue honrar as contas do mês, tem capacidade de investimentos e ainda está diminuindo as despesas de longo prazo”, afirmou Alan Guedes, reforçando que esse era um dos seus compromissos com os douradenses desde o início da gestão.

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Alan Guedes: do caos financeiro ao resgate da credibilidade de Dourados