Da redação

 

Mais uma vez a população de Dourados vê um mandato terminar com a cidade suja e mal cuidada. Assim como na gestão anterior a atual administração passa o bastão municipal com parques, praças, canteiros e áreas públicas tomadas pelo mato e em evidente ausência de zelo com patrimônio municipal.

Sem contrato com prestadora de serviço desde setembro, a administração tem colocado mão de obra própria — e insuficiente — para realizar a manutenção dos espaços públicos, no entanto as chuvas intensas que foram registradas nos últimos meses provocaram um verdadeiro colapso no serviço, tornando impossível a zeladoria de todo perímetro urbano e áreas distritais.

No entanto, uma simples adesão por parte da gestão local poderia amenizar essa realidade. Segundo o arquiteto urbanista Fabio Luis, vereador eleito para a próxima legislatura, projetos de paisagismo trariam uma estética mais agradável e menos exigente num período em desassistência contratual.

“Morar numa cidade feia, suja e mal cuidada impacta diretamente na qualidade de vida do cidadão douradense. O que a administração pecou, além da falta de planejamento em manter o contrato de limpeza e zeladoria, foi em não investir em projetos paisagísticos no perímetro urbano. Com eles poderíamos ter padrões técnicos de manutenção qualificada, com plantio de gramas e reparos programados na arborização”, afirmou.

Segundo o vereador eleito, o paisagismo é uma representação gráfica que detalha todas as informações necessárias para a execução do trabalho de zeladoria nas áreas públicas. O material tem como propósito fazer com que a arquitetura e a natureza estejam em plena harmonia, melhorando a rotina das pessoas.

“Projetos paisagísticos para áreas públicas não são tão diferentes dos realizados em espaços residenciais. A diferença é que na hora de planejar esse trabalho, é preciso atentar para a funcionalidade e a aplicação de forração correta e árvores que não exijam manutenção frequente. Muitos de nossos canteiros não possuem mais grama, estão tomados pela baquearia que tem um crescimento muito maior do que uma espécie gramínea adequada que mesmo sem manutenção constante não passaria de 20cm de altura. Aqui o profissional urbanista insiste que tornar a cidade mais aconchegante, bonita, e sobretudo segura, de forma a tornar a correria do dia a dia menos desgastante à população, deve ser um busca constante que soma forças de várias secretarias”, explica Fabio Luis.

O futuro parlamentar garante que esta será uma de suas defesas na Casa Legislativa, além da execução do Plano de Arborização Municipal, que segundo ele evitaria os acidentes registrados com quedas de árvores na cidade. Em apenas uma chuva registrada no mês passado, mais de 50 árvores desabaram, danificando carros e imóveis em várias regiões da cidade.

Projetos paisagísticos poderiam amenizar crise na limpeza urbana de Dourados

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Projetos paisagísticos poderiam amenizar crise na limpeza urbana de Dourados