Por Alô Dourados

O vereador Marcelo Mourão (PODEMOS) parece estar cego na batalha que trava sozinho contra a administração do prefeito Alan Guedes (PP). Até usar a luta de uma das classes mais importantes da sociedade, os professores, o parlamentar está disposto para continuar com as rusgas contra o Executivo.

Agora em alta, o debate em torno do rateio do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) tem sido alvo do vereador sob a justificativa de defesa da categoria e da população. Entretanto, é preciso olhar para trás e enxergar que a defesa da sociedade parece ser moeda de troca quando lhe é conveniente.

Muitos podem não se lembrar, mas em 2015, Mourão votou a favor do reajuste exorbitante do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), proposto à época pela administração de Murilo Zauith, que era do PSB.

Além disso, foi um dos defensores para expandir a cobrança do imposto também apara os distritos, onde as pessoas tem menor poder financeiro.

Na época, quando os professores e o SIMTED travaram uma luta a favor da melhoria dos salários, Mourão não esteve do lado dos profissionais. Na sessão desta segunda-feira (13), ele disse em plenário que estava quebrando um paradigma ao lutar pela categoria.

“Nós estamos quebrando um paradigma nesta Casa de Leis pra votar a favor dos servidores. Para votar contra é rápido, mas para votar a favor é cheio de mi mi mi. Rateio sim, rateio já”, disse ele.

Fica claro o uso político da luta tão brava da categoria, quando o próprio vereador tem ciência que projetos de Lei que interfiram no orçamento tem que ser apresentado pela Prefeitura. Ou seja, se a Câmara apresenta um projeto neste sentido, ele não passa devido a inconstitucionalidade da matéria. Uma professora, que preferiu ter o nome ocultado, comentou a manobra num grupo da categoria.

“Que jeito? Se só quem pode fazer lei relacionada a orçamento é o Executivo. Acho que não pode ficar se iludindo com gente que pode estar usando essa pauta pra ganhar palanque da categoria”.

Veja também

Olá, deixe seu comentário para Incoerência marca mandato de Marcelo Mourão na Câmara